Gestão de pessoas

Hard Skill e Soft Skill: o que é e como desenvolver em sua equipe

hard-skill-e-soft-skill
Escrito por Isabel Holanda

Você já percebeu que todos os dias somos quase que bombardeados por novas palavras e amamos “americanizar” alguns dos termos, dos quais utilizamos em nosso dia a dia corporativo? Exemplo disso são Hard Skill e Soft Skill

Muito se discute no mundo corporativo sobre as habilidades essenciais para um bom colaborador.  Essas são muito mais subjetivas, com maior dificuldade para se mensurar, mas que podem ser  facilmente reconhecidas no dia a dia.

Por isso, a importância de um bom mapeamento de competências que possa levar em conta os talentos não técnicos. Afinal, nós não dispomos de uma matéria acadêmica e específica de “como ser flexível” ou “relacional”. Mas o mercado tem reconhecido cada vez mais as soft skills que aumentam a competitividade e são decisivas para o sucesso. 

Entendendo a definição de Hard Skill e Soft Skill  

O termo é americano e muito utilizado por recrutadores de multinacionais para especificar habilidades comportamentais e técnicas. Então, vale explicar cada um deles para que entenda melhor seu conceito. 

Soft Skills (Habilidades Comportamentais)

As soft skills são habilidades sócio comportamentais do candidato/profissional. Estão associadas às suas habilidades mentais e a capacidade de lidar com emoções (Inteligência Emocional – QE). Elas são mais difíceis de serem ensinadas e de serem medidas, por se tratarem do resultado de tudo o que o indivíduo vivenciou em seu meio psicossocial e podem estar mais ligadas a capacidade inata das pessoas.

As soft skills são competências que podem vir a atrapalhar o profissional no desempenho de seu cargo. Já chegou a conhecer alguém com habilidade de hard skill (habilidades técnicas) incontestáveis, mas que não se relacionava (soft skill) bem com seus colegas?

Claro que, quando falamos de forma isolada, não abrimos as possibilidades para analisar esse indivíduo em sua totalidade. Mas o fato é que contratamos pelo que o profissional apresenta como hard skill, mas o mesmo pode não continuar na empresa se não tiver as competências de soft skill necessárias para a função.

Em um processo seletivo essas competências tendem a ser observadas por meio de testes comportamentais e/ou psicológico, dinâmicas focadas para alguma competência específica. Alguns exemplos de soft skill que são apreciados por recrutadores são:

  • Comunicação interpessoal
  • Persuasão
  • Proatividade                 
  • Resiliência
  • Resolução de Conflitos
  • Liderança
  • Confiança
  • Criatividade
  • Comunicação
  • Organização

Hard Skills (Habilidades Técnicas)

As hard skills são habilidades que podem ser aprendidas e facilmente quantificadas, sendo mais fáceis de tangibilizarmos. Para ficar mais fácil a compreensão trata-se do conhecimento que aprendemos na sala de aula, em cursos, em um livro que lemos, ou até mesmo em treinamentos técnicos no trabalho sobre como operar uma máquina, ou como realizar a confecção de uma planilha.

Em um processo seletivo essas competências tendem a ser observadas por meio de testes específicos, avaliações de conhecimento, dentre outros. Alguns exemplos de hard skill:

  • Gestão de Projetos
  • Mecânica de motores
  • Programação
  • Domínio de PHP
  • Domínio de Excel avançado
  • Contabilidade
  • Gestão de Pessoas
  • Inglês
  • Operação de máquinas

Soft Skills X Hard Skills

É fato que estamos cada vez mais caminhando para as vagas que possuem exigências maiores para os que mais se destacam com as soft skills (habilidades comportamentais) e quem estiver mais bem preparado irá se sobressair dos demais candidatos e profissionais.

É correto pensar que na prática, ambas são fundamentais para o bom desempenho das atividades,  por mais importante que elas sejam, esse profissional precisará também apresentar as hard skills, por isso as duas são complementares e com pesos relevantes para cada atividade.

Os recrutadores sabem bem quando há vagas para serem fechadas, quais as primeiras informações que chegam até o RH, quais conhecimentos técnicos esse candidato precisa ter, saber operacionalizar um software específico ou conhecimento financeiro, entre outros.

As demandas são várias, mas as especificações pela parte comportamental (soft skill), muitas vezes, não são repassadas ao recrutadores e são tão importantes quanto as técnicas. Não sei se vocês conhecem ou já passaram pela situação de escolher  um candidato muito bom tecnicamente, com habilidades comportamentais que, ao final, nem foram analisadas.  Nessa situação pode existir uma enorme possibilidade de que esse candidato não consiga ficar até pós período de experiência ou que sai com pouco tempo de empresa. 

O motivo se deve ao fato de as soft skill (comportamental) serem habilidades tão importantes quanto as hard skill (técnicas). Isso, em muitas vezes, leva a empresa a reavaliar questões que poderiam ter sido vistas desse profissional antes de ser contratado.

A Fisiologia da Hard Skill e Soft Skill 

Para entendermos um pouco mais sobre como essas características são constituídas, temos as soft skills que equivalem à capacidade mental e emocional – reguladas pelo lado direito do cérebro – e as hard skills que correspondem à capacidade técnica desenvolvida pela parte esquerda do cérebro – a metade da lógica.

Quanto mais um profissional conseguir reunir desses dois grupos, melhor candidato e profissional ele será. Outra fato relevante para apontarmos, seria a de que as características de hard skill são bem similares independentemente de onde se trabalhe.

O exemplo disso é o de um enfermeiro. Não importa o hospital onde ele atua, os conhecimentos exigidos para cuidado dos pacientes serão os mesmos.

Já para as soft skills as regras variam de acordo com a cultura organizacional e as pessoas com quem se trabalha. O mesmo enfermeiro pode dominar todas as técnicas de cuidados com o paciente, mas a cultura do local onde ele trabalha pode variar de empresa para empresa.

Mapeando as competências

Tão importante quanto desenvolver essas habilidades é identificá-las. Darei algumas dicas para que você consiga trabalhar de forma eficiente o mapeamento das duas.

1) Conte com a ajuda de um software

Você não é super homem ou super girl para fazer tudo sozinho. E como bem sabemos o operacional nos toma tempo. Tenha com você um sistema de Gestão de pessoas para lhe auxiliar tanto nesse acompanhamento quanto no desenvolvimento de ações que proporcione esse acompanhamento de sua equipe

2) Utilize metodologias para identificar as hard skill e soft skill necessárias

Um livro muito bom e que me ajudou muito nesse processo foi o Pipeline de liderança, autor Ram Charan. Você conseguirá entender que existem níveis e exigências para cada nível hierárquico que precisam ser tratados e desmistificados.

3) Aplique avaliação de desempenho periódica

Não adiantará nada você ter ferramenta, conhecer novas metodologias e não aplicar e acompanhar isso para sua equipe. Mais do que saber é importante fazer.

Faça uma auto analise e veja quais características são mais preponderantes em você, que precisam ser trabalhadas e como você poderia desenvolvê-las. Afinal quanto mais desenvolver as soft e hard skills mais completo você será.

Espero que este artigo possa lhe ajudar de alguma forma a selecionar e reter grandes talentos para sua empresa. E aproveitando que abordamos a importância dos Soft e Hard Skill no processo seletivo, indicamos este artigo que fala sobre como preparar o setor de RH na hora de fazer o processo. 

Blog-Fortes-Tecnologia-calculo-de-custo-por-colaborador-facebook-linkedinPowered by Rock Convert

Sobre o autor

Isabel Holanda

Há mais 10 anos atuando na área de gestão de pessoas, atualmente, é gerente de conteúdo na Fortes Tecnologia. Graduada em Pedagogia pela UFC, com pós graduação em Gestão de Pessoas, Psicopedagogia e Life Coach pela Sociedade Latino Americana de Coaching (SLAC). Além disso, é palestrante de temas relacionados aos subsistemas de RH com foco em liderança e desenvolvimento de equipes.

Deixar comentário.

Compartilhar