Saúde financeira empresarial: saiba como avaliar e cuidar da sua

Saúde financeira empresarial: saiba como avaliar e cuidar da sua
4 minutos de leitura

Muitos indicadores precisam fazer parte do processo de avaliação de uma organização. Nesse sentido, um dos mais importantes é aquele que indica o atual estágio de saúde financeira empresarial. Sem ele, fica difícil dizer se uma operação é lucrativa ou não. Mesmo tendo alto faturamento, é possível que o retorno seja negativo e isso pode indicado por essa variável.

Neste artigo, você verá exatamente por que essa análise é tão importante. Ao ler o texto, você entenderá o conceito de forma mais profunda. Saberá quais são as maneiras existentes de medir o desempenho financeiro de uma companhia. Adicionalmente, conhecerá três meios de auferir o resultado atual conseguido pela empresa em questão. Boa leitura.

Qual é a importância da gestão financeira empresarial?

Na missão de tocar um negócio, o acompanhamento da saúde financeira se revela como atividade essencial. Curiosamente, essa tarefa costuma ser dispensada do dia a dia de muitos empresários, infelizmente. Talvez por essa razão, grande parte dos empreendimentos acaba fechando as portas em um curto período a partir de sua fundação.

Essa informação por si só já deveria ser suficiente para justificar a importância do gerenciamento financeiro, mas os argumentos vão além. Em tempos de crise (sim, eles sempre chegam) as empresas que costumam sobreviver são justamente aquelas que estão organizadas financeiramente. Parte dessa organização significa ter dinheiro em caixa e, sem um planejamento, é difícil conseguir isso.

Nasce daí a relevância do controle financeiro: manter a empresa forte o suficiente para suportar momentos de fragilidade econômica do mercado, por meio de planos e de boa gestão. Sem isso, fica difícil vislumbrar um futuro próspero, meta de toda empresa que apresenta equilíbrio em suas contas e nos demonstrativos financeiros.

De que forma é possível mensurar a saúde financeira empresarial?

Existem algumas variáveis que podem dar um bom norte a respeito das condições financeiras do negócio. Acompanhe a seguir três deles que têm especial relevância.

Fluxo de caixa

O fluxo de caixa talvez seja um dos indicadores mais importantes para a gestão financeira de um negócio. Ele mostra o resultado das entradas e saídas de recursos na companhia, considerando fluxos futuros. Dessa forma, é possível realizar uma etapa muito importante de um gerenciamento: as projeções.

São elas que permitem avaliar a capacidade produtiva de um empreendimento. De posse dessa informação, os planejamentos dos rumos de uma empresa podem ser feitos de forma muito mais precisa. Também pode-se enxergar com mais clareza se a capacidade de pagamento futuro está comprometida ou não e realizar ações para corrigir eventuais problemas.

Lucro

Isoladamente, podemos dizer que esse indicador é o mais representativo da saúde financeira empresarial. O raciocínio é simples: se a organização está sendo capaz de gerar lucro de forma a preservar a capacidade de investimento próprio e remunerar seus sócios ou acionistas, então, ela está bastante saudável.

Adicionalmente, um importante fator precisa ser considerado, visto que ele não é mensurável de forma direta por meio de números. É preciso contabilizar as horas de trabalho investidas no negócio por seus proprietários e identificar se o retorno esperado está sendo atingido. Variáveis como a qualidade de vida também precisam ser computadas, pois de nada vale conquistar o mundo e perder a alma.

Receita operacional

Esse indicador é conseguido de modo simples e ajuda a ter uma boa clareza acerca da saúde financeira empresarial. Para chegar ao seu valor, basta subtrair do lucro bruto todas as despesas operacionais. Tem-se, portanto, o valor da receita operacional e pode-se estimar a eficiência da empresa naquele período. Isso tudo pode ser traduzido na capacidade que a organização tem de gerar valor para seus clientes.

Como fazer a avaliação da saúde financeira atual da empresa?

Para conseguir medir com eficácia o momento atual de uma empresa em relação às suas finanças, pode-se recorrer aos tópicos explicados a seguir.

Volume de negócios

O monitoramento da geração de receita de um negócio fornece importantes dados a respeito do desenvolvimento do empreendimento. Saber se as metas de vendas foram atingidas ou se novos mercados consumidores foram desbravados com sucesso são exemplos de informações que o crescimento do volume de negócios pode indicar.

No entanto, muita atenção é necessária ao considerar a evolução da receita auferida. A razão disso é que, ainda que mais negócios tenham sido firmados e a receita tenha aumentado, pode ser que a companhia apresente prejuízo. Isso pode parecer loucura, mas é verdade. Os gastos também precisam ser monitorados bem de perto e é por isso que o próximo tópico tem que acompanhar a avaliação do volume de negócios.

Resultado

Aferir o resultado obtido é a forma certa de complementar uma análise a respeito da receita gerada pela empresa. Isso significa um processo de análise muito mais refinado. Ele revela qual o percentual do dinheiro entrante na empresa representa lucro. E mais ainda, pode mostrar também o resultado dos esforços da companhia em reduzir despesas.

Essa métrica por si só pode dizer muito sobre um empreendimento, afinal de contas uma empresa que dá lucro mostra fortes indícios de que está com uma saúde financeira em dias. Mesmo que seja esse o caso, é possível melhorar seu desempenho por meio da busca pelo incremento da lucratividade. Ela indica de que forma as vendas estão sendo suficientes ou não, e permite elencar ações nesse sentido.

Nível de endividamento

Por fim, o nível de endividamento precisa (vou repetir, precisa) ser acompanhado muito de perto, com o máximo de atenção possível. Nesse aspecto, é necessário entender ainda que ter dívidas não é um indicativo de problemas financeiros, mas sim tê-las e não conhecer seus impactos no fluxo de caixa da companhia.

Assim, o montante a pagar conhecido como passivo precisa ser sempre conhecido. Ele é composto, entre outras variáveis, pela dívida financiada, salários a pagar, compromissos com fornecedores e dívidas bancárias, entre outros. A relação fica clara ao fazer esse cálculo em relação ao patrimônio total da empresa e ao faturamento. Quanto menor o índice de endividamento, melhor será para a organização.

Manter em dias a saúde financeira da empresa faz parte dos afazeres de um gestor empresarial. Sem isso, dificilmente um empreendimento encontra um caminho próspero para seguir. A capacidade de investimentos na própria empresa deve ser preservada e para alcançar esse nível faz-se necessário ter um bom planejamento prévio. Diversos indicadores precisam ser incluídos nesse plano, pois eles são capazes de indicar se há algum problema e suas respectivas origens.

Gostou do conteúdo? Então, assine nossa newsletter e seja informado sempre que nossos artigos forem lançados!