Segurança Psicológica no Trabalho: o que é e por que é tão importante

Segurança Psicológica no Trabalho: o que é e por que é tão importante
8 minutos de leitura

Em tempos de tantos desafios na gestão e nas emoções de todas as pessoas, manter um ambiente de trabalho saudável tem sido uma das grandes preocupações de várias organizações. E quando falamos de ‘ambiente de trabalho saudável’ não podemos deixar de pensar sobre segurança psicológica no trabalho tem sido uma preocupação, cada vez mais frequente nesses últimos tempos dentro das organizações que tem entendido a importância disso para gerar um clima organizacional cada vez mais engajador.

São coisas simples como pedir ajudar, propor uma ideia ou reconhecer que não sabe algo que tem feito a diferença nos times de maior êxito. Mas se nas organizações existe uma cultura onde se pune demonstrações de vulnerabilidade, o que acaba acontecendo é a inibição de manifestações de novas ideias e a sensação de pertencimento desse colaborador vai diminuindo cada vez mais com o passar do tempo.

Mas o que de fato pode ser considerado como segurança psicológica e o que as organizações podem fazer para implementar?

O que é segurança psicológica no trabalho?

Este termo foi pensado e estudado pela Dra. Amy Edmondson, professora de Harvard, e de acordo com ela segurança psicológica “é uma crença compartilhada pelos membros de uma equipe de que a equipe é segura para a tomada de riscos interpessoais”. Podendo afirmar que a Segurança Psicológica no trabalho é o principal alicerce das equipes de alto desempenho. A segurança psicológica da equipe não é um fim em si; na verdade, é o ingrediente necessário que permite que uma equipe aprenda. E quando uma equipe é capaz de aprender, seu desempenho continuará melhorando.

A segurança psicológica, portanto, diz respeito a um ambiente organizacional onde as pessoas as pessoas se sentem confortáveis para falarem as suas opiniões, compartilharem experiências e ideias sem serem tolhidos ou retaliadosDessa forma, todos ficam tranquilos e seguros para se expor diante de outros colaboradores da empresa.

Não há o medo de ser punido, constrangido ou rejeitado pelo simples fato de colocar uma ideia na mesa de discussão ou se opor a algo que alguém está falando, mesmo que esse alguém seja seu líder direto. Um ambiente assim contribui para que as pessoas sejam mais autênticas e criativas, que não tenham medo de errar e assumir o erro ao mesmo tempo que faz parte na busca por solução, além de contribuir para uma convivência mais harmoniosa.

Segurança Psicológica no Google

Por mais de 2 anos o Google investiu em pesquisa para descobrir e elencar pontos sobre o que faz realmente uma equipe ser considerada como ótima. Julia Rozovsky, que liderou o projeto de Aristóteles (“o todo é maior que a soma das partes”) e concluiu que o elemento mais importante que separa as equipes de alto desempenho das médias é o nível de segurança psicológica na equipe. Outras características como confiabilidade, significado, impacto, estrutura e clareza também eram importantes, mas nos resultados das pesquisas, a segurança psicológica da equipe era quatro vezes mais significativa do que todos essas características.

Com base nesses dados, o Google publicou em 2015 os resultados desta análise e, desde então, inúmeros artigos e blogs relataram a “nova” descoberta, muitas vezes simplificando o que representa a segurança psicológica nas equipes. Quando isso acontece, abre margem para interpretações, muitas vezes equivocadas como, segurança psicológica é ser gentil com os outros. Na verdade, não é bem isso. 

Desafios da segurança psicológica?

Existem três categorias de desafios relacionados ao papel da segurança psicológica nas implementações ágeis: Atitudes em relação à inclusão; Percepções e confiança na responsabilidade coletiva; Abertura na comunicação.

É fato que, muitos especialistas que escrevem segurança psicológica no trabalho, atribuem toda a responsabilidade para o líder da equipe, embora saibamos que o líder tenha um papel importantíssimo para que isso ocorra, a equipe não é formada só pelo líder e os demais integrantes também podem impactar a segurança psicológica no trab. 

A pesquisa original de Edmondson identificou cinco fundamentos que impactam a segurança psicológica da equipe. O primeiro fundamento é o comportamento demonstrado pelo líder da equipe obviamente influencia todo o time, além do que os membros da equipe recebem sinais de seu líder sobre o que é valorizado e o que não é. 

A forma como um líder reage a perguntas ou sugestões dos membros da equipe intensificará o questionamento ou o interromperá.  O segundo ponto fundamental é entendermos que a Confiança e o respeito entre os membros da equipe são importantes e afetam a atmosfera geral da equipe. Embora a segurança psicológica da equipe não seja a mesma coisa que a confiança, os membros da equipe precisam ser capazes de confiar e respeitar uns aos outros. 

O suporte que a organização, na qual a equipe atua, oferece é importante porque, esse seria o terceiro aspecto a ser observado, se não houver, o desempenho da equipe não se desenvolverá ou será bloqueado por múltiplos obstáculos. O quarto aspecto é o conjunto de hábitos e rotinas que os membros da equipe desenvolvem enquanto trabalham juntos, como foram cocriados, como essas entregas são apreciadas e recebidas por todos. Manter rotinas de retrospectivas de resultados, alinhamentos sobre entregas e correção de gaps torna-se cada vez mais importante para desenvolver esse ambiente. E o quinto e último fundamento é a oportunidade para a equipe de praticar e melhorar seu trabalho em equipe, sem a pressão e o risco do impacto imediato no trabalho real.

Quando um líder confia e delega a uma equipe um desafio real do negócio para que apresente propostas e implemente soluções, os membros da equipe se sentem valorizados. Outras ações que podem desenvolver esse ambiente seria fazer perguntas, construir com as ideias dos outros e refletir sobre as dinâmicas interpessoais. Essas ações diárias geram confiança e respeito entre os membros da equipe e reforçara para que todos sintam-se ouvidos.  

Além disso, investir em segurança psicológica dentro da empresa também traz outros benefícios essenciais para todos, entre os quais podemos citar:

  • abre portar para soluções inovadoras e criativas;
  • equipes com maiores níveis de entrosamento, colaboração e afinidade;
  • gera maior receita, afinal, pessoas com segurança psicológica produzem mais e melhor;
  • reduz índices de turnover, pois as pessoas ficam mais felizes ao trabalhar com segurança psicológica.

Como medir a segurança psicológica no trabalho?

Os recursos mais utilizados para aferir o nível de percepção dos colaboradores quanto a segurança psicológica seria a pesquisas e feedbacksA área de Gestão de Pessoas pode, portanto, rodar um questionário com algumas perguntas que visam analisar esse aspecto dentro da organização. Separei algumas ideias de perguntas que podem ser feitas e ajustadas a cada realidade organizacional:

  1. Você se sente confortável para expor ideias e fazer perguntas, mesmo que possam lhe parecer “bobas”, frente aos outros colaboradores?
  2. Você se sente à vontade para colocar a sua opinião em uma reunião, mesmo que ela seja diferente do que todos estão falando?
  3. Você acredita que seja seguro assumir riscos e inovar no dia a dia?
  4. Se você cometer um erro, sente que será julgado ou diminuído?
  5. Você se sente confortável para pedir ajuda, seja para o seu líder ou outros membros da equipe?
  6. Você sente que outros colaboradores poderiam sabotá-lo de alguma forma?
  7. Você e os membros do seu time se tratam com respeito?
  8.  Você sente que os colaboradores rejeitam pessoas que possam ser consideradas “diferentes”?

O papel dos líderes na manutenção da segurança psicológica?

O perfil de liderança existente na organização também pode ter um impacto importante quando o assunto é criar um ambiente com segurança psicológica.

Nos perfis existentes de líderes podemos entender que quanto maior a liberdade que um colaborador terá, maior será a sensação de liberdade para expor o que ele pensa. Um líder autocrático, por exemplo, é aquele que toma todas as decisões, centraliza informações e o time simplesmente segue o seu comando. Assim, nesse modelo de liderança, as pessoas têm menos espaço para contribuir com ideias e, muitas vezes, nem se sentem à vontade para falar.

Por outro lado, um líder democrático incentiva a participação de todos os membros da equipe, estimulando que compartilhem ideias, problemas e sejam criativos o tempo todo.

Com essas 2 definições já é possível prever com qual dos 2 perfis o colaborador se sentira mais seguro para falar, com certeza a liderança que exerce a sua função com maior participação da equipe.

Por isso, cabe à empresa entender como as suas lideranças estão agindo no dia a dia para garantir que nenhum desses profissionais contribua negativamente para o ambiente corporativo. Os profissionais de Recursos Humanos também precisam ficar atentos às questões de recrutamentoafinal, é preciso buscar por perfis de lideranças com fit cultural. Isso já diminui metade dos problemas que poderiam surgir lá na frente.

Como garantir segurança psicológica em tempos de pandemia

Com a chegada do novo coronavírus e a mudança no dia a dia de trabalho, readequações nas organizações para conseguirem manter suas operações, diversas empresas adotaram o regime home office. Nesse momento, cuidar para que os colaboradores não se sintam isolados e, mesmo com o distanciamento, tenham a certeza de que estão sendo ouvidos é essencial.

Toda mudança exige adaptações e o trabalho a distância exige alguns reajustes para garantir a segurança psicológica. Com esse entendimento, de que temos um ambiente mais instável, com perdas em todas as esferas e desafios de entrega, precisaremos traçar um planejamento com ações estratégicas que visem promover a segurança psicológica dentro das organizações. Eu gostaria de sugerir alguns:

1. Cultura de feedback

Um dos principais pontos quando o assunto é segurança psicológica diz respeito a uma cultura de feedback bem estabelecida. Essa é uma das maneiras mais eficazes de criar um diálogo honesto entre líderes e liderados.Dessa forma, cria-se um canal de comunicação e as pessoas se sentem mais confortáveis para expor problemas, dúvidas e ideias. Para aqueles que são mais tímidos, pode ser um ótimo ponto de partida.

É importante que o RH da empresa crie esses ciclos de feedbacks com o objetivo de propor uma troca constante entre os membros da equipe.

2. Maior tolerância aos erros e às diferenças

Os baixos níveis de segurança psicológica são, em muitos casos, consequência da intolerância aos erros e diferenças entre as pessoas. Isso não significa que ao cometer um erro gravíssimo o responsável não deva sofrer as consequências, como levar um sermão, se responsabilizar pelos atos. Significa que quando as pessoas têm muito medo de errar porque acham que serão severamente punidas, deixam de experimentar e testar. Dessa forma, grandes ideias podem ficar adormecidas.

Incentivar opiniões que fogem do óbvio e garantir que todos se sintam confortáveis com as diferenças é essencial para criar um clima agradável e tranquilo.

3. Criatividade e tomada de riscos

Não são todas as empresas que incentivam a tomada de riscos, pois é algo que varia muito conforme a cultura do ambiente. Vale refletir sobre como grandes ideias podem resultar em ótimos resultados, mas para isso precisam ser tomados alguns riscos de vez em quando. Encontrar o equilíbrio ideal dos riscos para a sua empresa pode ser o caminho certo para não anular a criatividade.

4. Escuta ativa

A escuta ativa diz respeito a prestar atenção na fala do outro e, assim, demonstrar verdadeiro interesse pelo o que está sendo dito. É uma habilidade importante para garantir a segurança psicológica, pois todo mundo sente a necessidade de ser estudado de verdade.

5. Tomada de decisões

Profissionais, principalmente líderes, que tomam decisões sem incluir os outros membros da equipe estão contribuindo para um ambiente com menos colaboração. É importante garantir que todos possam expor suas opiniões antes de uma decisão ser tomada. Essa pode ser uma das maneiras de fortalecer o sentimento de pertencimento, incentivar o compartilhamento de ideias, estimular a colaboração e fazer com que todos se sintam importantes.

Enfim, depois de você ter lido sobre todas essas informações, não tem como continuar “fechando os olhos “para a importância da segurança psicológica no trabalho, não é mesmo?

Comece observando o seu time, trace uma estratégia que se adeque a sua realidade, treine seus líderes e cultive uma cultura saudável. Aos poucos, com a mudança e implementação de novos hábitos, a organização irá colher todos os frutos e garantir um dia a dia de trabalho muito mais produtivo!

Confira os últimos posts 👇

  • Liderança organizacional: saiba como promover em sua empresa
    8 minutos de leitura Encontrar meios de motivar a equipe e alcançar bons resultados é primordial para o sucesso das empresas nos dias atuais. Nesse sentido, adotar formas de liderança organizacional pode ser um bom caminho para engajar os funcionários e ter um clima harmonioso no […]
  • O que é clima organizacional e como mantê-lo em alta
    8 minutos de leitura Antes de comandar a gestão de pessoas da sua empresa atual, você deve ter vivenciado experiências diferentes em outras organizações, correto? Se você pensar na rotina mantida em cada uma delas, é bem provável que uma das primeiras lembranças que venham à […]
  • Indicadores de RH: como acompanhar e tomar decisões estratégicas
    8 minutos de leitura Por isso, não basta apenas utilizar-se de métricas e indicadores para realizar um bom trabalho. A área de RH estratégica deve sempre manter seu elo com as pessoas, aproximando-se da área de Comunicação Interna ou criando alguns processos de Comunicação, caso eles […]
  • Endomarketing: o que é e qual a sua importância para o RH?
    8 minutos de leitura Todos nós sabemos o que é o Marketing e o que ele faz, mas com certeza já encontramos a palavra “endomarketing” em livros, redes sociais e em conversas. O marketing, na maioria das vezes, olha para o público externo e vê como […]