Open Banking: o que é e qual o seu principal objetivo?

O Open Banking é ainda uma novidade no segmento das instituições financeiras. Ele veio para facilitar a vida de todos.

Open Banking: o que é e qual o seu principal objetivo?
3 minutos de leitura

Já imaginou ter mais liberdade para escolher seus serviços bancários? O Open Banking chegou para modificar a forma que os bancos interagem entre si, visando sempre o melhor para o cliente.

O sistema financeiro aberto, proporciona uma maior liberdade de escolha por meio do compartilhamento de dados, produtos e serviços que se enquadrem no nicho financeiro.

Buscando fazer com que você entenda essa nova modalidade, preparamos um artigo para tirar todas as suas dúvidas sobre o Open Banking. 

Vamos lá?

O que é e qual objetivo do Open Banking?

Em tradução livre, Open Banking significa “banco aberto”. Em suma, é uma possibilidade para que os clientes compartilhem informações entre as diferentes instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central.

Com isso, é possível movimentar as contas bancárias por diferentes plataformas de forma segura, sem ficar preso apenas ao aplicativo.

O Open Banking tem como objetivo principal, reduzir barreiras tornando os empréstimos mais democráticos. Facilitando o compartilhamento de informações entre instituições, fazendo com que o cliente tenha total controle e escolha a instituição que oferece as melhores condições.

Vantagens do Open Banking

A modalidade proporciona melhores experiências no uso de produtos e serviços financeiros. Assim, torna possível que as instituições apresentem soluções facilitadas, o que auxilia os clientes na hora de controlar as finanças, principalmente em tempos de crise.

Além disso, outras vantagens podem ser destacadas. São elas:

1. Mais liberdade e autonomia para clientes

Os clientes passam a ter mais liberdade na hora de trocar de instituição, sem ficar preso em custos ou carências. Além disso, quanto maior o tempo de relacionamento com a instituição, mais detalhadas as informações serão.

A portabilidade que hoje é tão conhecida no mundo das operadoras de telefone, também será possível no ecossistema bancário. Dessa forma, facilita bastante esse processo de troca de instituição.

2. Redução de custos

Como não existe a possibilidade de ficar preso a uma única instituição, a tendência é que os custos comecem a reduzir e atrair mais clientes. Um exemplo são as contas digitais. Abertas com alguns cliques, não cobram taxas de manutenção.

Isso também ocorre porque as instituições terão custos menores. Afinal, com a integração do novo sistema, alguns processos intermediários serão eliminados.

3. Aumento da competição entre as instituições bancárias

Com o Open Banking, as barreiras para encontrar novos serviços serão reduzidas. Com isso os bancos passarão a promover maiores opções e benefícios para o consumidor, o que consequentemente afetará para que o ambiente se torne mais competitivo. 

Cuidados ao adotar o Open Banking

Uma nova fase do Open Banking se deu início no dia 13 de agosto, passando a compartilhar dados pessoais entre os bancos que aderiram à modalidade. Esse compartilhamento só foi feito com a autorização do cliente. 

Mesmo com tantas vantagens, é preciso ter cuidado. O maior vilão fica por conta dos crimes cibernéticos. Alguns sistemas usam dados pessoais como número de cartão de crédito e informações sobre seguros e consórcios. 

Portanto:

  • Escolha bem a instituição financeira;
  • Pesquise certificações e autorizações do Banco Central;
  • Duvide de propostas muito fora da realidade, com valores ou descontos exorbitantes;
  • Não responda mensagens ou clique em links;
  • Procure sempre contato pessoal com seu gerente.

E lembre-se, todo cuidado é pouco!

Por que adotar o Open Banking?

Os clientes que pretendem aderir ao Open Banking, precisam autorizar através dos canais digitais das instituições financeiras, as informações que querem compartilhar e qual o prazo para que isso aconteça.

Espera-se um fluxo mais transparente entre as instituições favorecendo as melhores ofertas e serviços, oferecendo aos clientes uma experiência fácil e segura. 

Algumas dessas instituições credenciadas estão distribuindo brindes para os clientes que estão aderindo ao banco aberto.

Os clientes serão favorecidos com taxas de crédito e investimentos menores, proporcionando ainda a criação de novos produtos.  Isso só será possível, pois as instituições bancárias estarão alinhadas  e por dentro das reais necessidades dos seus correntistas.

Nesse caso, o cliente que tem conta no banco A e deseja fazer um empréstimo em outro banco, ele autoriza o compartilhamento das suas informações para que os bancos conversem entre si e o cliente saiba qual oferece a melhor proposta. 

Incrível, não é mesmo?

Open Banking é seguro?

De antemão, o Open Banking é seguro. 

Segundo o Banco Central, as instituições participantes precisam cumprir requisitos que garantam a segurança e sigilo de todas as informações compartilhadas. Acima de tudo, não significa que os dados serão públicos, mas sim, que as pessoas poderão levá-los para onde desejam através de APIs. E eles nada mais são do que uma tecnologia que permite essa troca de informações.

A criação do sistema Open Banking é justamente para garantir um ambiente seguro para todos os envolvidos.

Por fim, cada instituição financeira continuará tendo autonomia para desenvolver os produtos que fizerem sentido, adotando seus próprios métodos de segurança. É importante saber que ninguém terá acesso aos dados dos clientes sem a autorização de compartilhamento das informações.

Espero que tenha gostado deste conteúdo. Compartilhe também em suas redes sociais.

Até o próximo!

Últimos posts 👇