Gestão financeira Gestão contábil

Fortes Tecnologia em pauta: “IR 2017 – Saiba como evitar os três erros mais comuns para não cair na malha fina” (Jornal Contábil)

Fortes Tecnologia em pauta: “IR 2017 – Saiba como evitar os três erros mais comuns para não cair na malha fina” (Jornal Contábil) 1
Escrito por Eliane César
Atualizado em: 30/05/2017 Tempo estimado de leitura: 3 minutos

O Jornal Contábil, veículo nacional voltado para setor, publicou nesta quarta-feira (26) uma matéria sobre o prazo e dicas para a declaração do Imposto de Renda 2017. Para falar mais sobre o assunto e listar dicas, foi entrevistado o nosso diretor de produtos e porta-voz, Sávio Pierre. Veja a lista do especialista da Fortes Tecnologia com os três erros mais comuns daqueles que caem na malha fina e como evitá-los.

Fortaleza, abril de 2017 – Todos os anos o prazo para a entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física termina no último dia útil do mês de abril, ou seja, em 2017 a data limite é o dia 28.

Os especialistas da Fortes Tecnologia alertam que é fundamental que os contribuintes tenham atenção ao preencherem o formulário para não caírem na Malha Fiscal da Declaração de Ajuste Anual da Pessoa Física, a temida “malha fina”.

Com alta capacidade de cruzamento de dados, o sistema operacional da Receita Federal do Brasil é um dos mais modernos do mundo e, por ser totalmente informatizado, independe de auditoria humana. “A malha fina não pode ser subestimada.

Também não há necessidade de pânico, desde que o contribuinte seja verdadeiro ao informar dados relacionados a ganhos, gastos, rendimentos, aquisições e vendas. Àqueles que tenham muitas dúvidas, sugiro a busca pela assessoria de um profissional especializado”, explica Sávio Pierre, diretor de produtos da Fortes Tecnologia.

Para reforçar o alerta aos contribuintes, o especialista da Fortes Tecnologia lista os três erros mais comuns daqueles que caem na “malha fina”:

Não informar todos os rendimentos 

Imagine que você possua três fontes de renda, que somadas resultem em rendimento anual tributável acima de R$ 28.559,70. A pior estratégia em casos como este é ocultar um desses rendimentos, já que muito provavelmente os pagadores citaram o seu CPF na declaração deles.

Neste caso, é esperado pela Receita que as partes envolvidas confirmem as informações e acrescentem possíveis dados.

Ter crescimento patrimonial que não condiz com o rendimento 

Por exemplo, se você ganhou R$ 50 mil reais ao longo do ano e não tinha reservas financeiras declaradas, será difícil comprovar à Receita Federal a compra de um apartamento de R$ 200 mil à vista. Aqui, mais uma vez reforça-se a necessidade da constante transparência na declaração.

Incluir informações de terceiros que não são verdadeiras

Incluir na declaração falsos dependentes ou CNPJ de empresas com as quais você não teve real vínculo no período é um dos caminhos para que a Receita Federal escolha auditar a sua declaração. Hoje, grande parte dos proprietários de CNPJs estão atentos para informar os dados dos clientes que receberam seus serviços.

O especialista da Fortes Tecnologia alerta ainda sobre a importância de entregar a Declaração de Imposto de Renda no prazo.

“Algumas pessoas podem não se atentar muito ao prazo por considerarem que o valor da multa é irrisório. Mas, é importante ter em mente que essa inadimplência vai gerar pendências no CPF, que tendem a se refletir em restrições de crédito”, conta Sávio.

“Após concluir a entrega, aconselho ainda que o contribuinte acompanhe o processo para ver se existem pendências e tentar resolvê-las antes de ser convocado para isso”, completa.

Para ver também no site do Jornal Contábil, basta acessar o link da matéria IR 2017 – Saiba como evitar os três erros mais comuns para não cair na malha fina

Fortes_Tecnologia_Banner_Fluxo_de_CaixaPowered by Rock Convert
Baixe o checklist e saiba como ser um consultor contador!Powered by Rock Convert

Sobre o autor

Eliane César

Gerente de Produto nas áreas Fiscal, Contábil e Patrimônio na Fortes Tecnologia. Contadora. Especialista em Gestão e Planejamento Tributário pela Faculdade 7 de setembro. Bacharel em Ciências Contábeis pela Faculdade Piauiense. Representante da Fortes Tecnologia no Grupo de Trabalho Piloto do projeto SPED. Membro da Comissão Técnica do SPED do CRC/CE.

Deixar comentário.

Compartilhar