Gestão contábil

Resolução 873 suspende prazo para trabalhador dar entrada no seguro-desemprego

fortes-tecnologia-prazo-para-dar-entrada-no-seguro-desemprego-2
Escrito por Luanna Araujo
Publicado em: 27/08/2020 Tempo estimado de leitura: 5 minutos

O prazo para dar entrada no seguro-desemprego foi suspenso como uma medida para evitar frustrações durante a pandemia. Entenda a resolução 873 que trata dessa suspensão.

A Resolução nº 467/2005 estabelecia que o trabalhador dispensado sem justa causa tinha até 120 dias, contados a partir do 7º dia após o desligamento, para encaminhar toda a documentação necessária para habilitação no seguro-desemprego.

Com a Resolução nº 873, publicada no DOU na última terça-feira (25/08), esse prazo ficará suspenso durante o estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6.

O objetivo da Resolução é garantir que o trabalhador que não está recebendo atendimento presencial e não consegue requerer o benefício eletronicamente, possa ter mais tempo para formalizar o pedido do seguro-desemprego e não ser prejudicado.

Para quais requerimentos se aplica a suspensão temporária do prazo?

Aos requerimentos iniciados após a declaração do estado de calamidade pública, ocorrida em 20 de março de 2020, com a publicação do Decreto Legislativo nº 06. 

O que ocasiona o deferimento de recursos e solicitações realizadas pelo trabalhador, ainda que judicial, que questionem a notificação automática de “fora do prazo de 120 dias”.

Trabalhadores Domésticos

A habilitação no seguro-desemprego também se aplica ao trabalhador doméstico, quanto aos requerimentos protocolados em data posterior ao início do estado de calamidade pública e que, por força maior, não pode cumprir o prazo de até 90 dias para solicitação do benefício.

Além disso, o motivo de força maior também autoriza a revisão de eventual indeferimento inicial por meio de recurso administrativo que tenha sido solicitado pelo trabalhador doméstico.

Quem tem direito ao seguro-desemprego?

Segundo a Lei 7.998/1990, art. 3º, terá direito ao seguro-desemprego o trabalhador dispensado sem justa causa que comprove:

I – ter recebido salários de pessoa jurídica ou de pessoa física a ela equiparada, relativos a:

  • a) pelo menos 12 meses nos últimos 18 meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando da primeira solicitação;
  • b) pelo menos 9 meses nos últimos 12 meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando da segunda solicitação; e
  • c) cada um dos 6 meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando das demais solicitações;

III – não estar em gozo de qualquer benefício previdenciário de prestação continuada, previsto no Regulamento dos Benefícios da Previdência Social (RGPS), com exceção do auxílio-acidente e o auxílio suplementar previstos na Lei nº 6.367/1976, bem como o abono de permanência em serviço previsto na Lei nº 5.890/1973;

IV – não estar em gozo do auxílio-desemprego; e

V – não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente à sua manutenção e de sua família.

Como comprovar esses requisitos?

A comprovação deverá ser feita mediante:

  • I – anotações a Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS;
  • II – apresentação do Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho – TRCT, homologado quando o período trabalhado for superior a 1 ano;
  • III – documento utilizado para levantamento dos depósitos do FGTS ou extrato comprobatório dos depósitos;
  • IV – apresentação da sentença judicial transitada em julgado, acórdão ou certidão judicial, onde constem os dados do trabalhador, da empresa e se o motivo da dispensa for sem justa causa; e
  • V – verificação a cargo da Auditoria Fiscal do Trabalho, quando for o caso.

Já os demais requisitos serão comprovados por meio de declaração firmada pelo trabalhador, no Requerimento do Seguro-Desemprego – RSD.

Como solicitar o benefício?

O trabalhador pode solicitar o benefício presencialmente* nas Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego (SRTE), Sistema Nacional de Emprego (SINE) e outros postos credenciados pelo Ministério da Economia (ME), ou eletronicamente por meio do: 

* Verificar os horários e condições de funcionamento durante a pandemia do Covid-19.

Qual a documentação necessária?

Para requerer o benefício, o trabalhador deverá apresentar os seguintes documentos:

  • a) Documento de identificação – Carteira de Identidade ou Certidão de Nascimento, Certidão de Casamento com o protocolo de requerimento da identidade (somente para recepção), Carteira Nacional de Habilitação (modelo novo), Carteira de Trabalho (modelo novo), Passaporte e Certificado de Reservista;
  • b) Cadastro de Pessoa Física – CPF;
  • c) Carteira de Trabalho e Previdência Social;
  • d) Documento de Identificação no Programa de Integração Social – PIS ou Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público – PASEP;
  • e) Requerimento do Seguro-Desemprego – RSD e Comunicação de Dispensa – CD;
  • f) Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho – TRCT, homologado quando o período de vínculo for superior a 1 (um) ano;
  • g) Documentos de levantamento dos depósitos no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – FGTS ou extrato comprobatório dos depósitos;
  • h) No caso do requerente não ter recebido as verbas rescisórias deverá apresentar certidão das Comissões de Conciliação Prévia / Núcleos Intersindicais, (certidão da justiça ou relatório da fiscalização). 

Mais informações sobre o Seguro Desemprego

Para mais informações sobre o seguro-desemprego clique aqui e acesse o site da Caixa.

Em caso de dúvidas ou dificuldades, envie um email para trabalho.uf@economia.gov.br. Ou seja, em cada unidade da federação, basta trocar a designação “uf” pela sigla correspondente. Em São Paulo, por exemplo, o e-mail é trabalho.sp@economia.gov.br, no ceará o e-mail fica trabalho.ce@economia.gov.br. Basta seguir esses exemplos para o restante dos outros estados brasileiros.

O trabalhador também pode entrar em contato pelo número 158 ou ligar para o telefone de uma agência do trabalho de seu estado. 

Espero que este conteúdo tenha lhe ajudado. Aproveite e confira também outros conteúdos em nosso blog! Até a próxima!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Sobre o autor

Luanna Araujo

Atua há mais de 10 anos na área Contábil, graduada em Ciências Contábeis pela Unicatólica, com MBA em Gestão e Planejamento Tributário pela UNI7. Foi consultora e coordenadora de atendimento na Unidade Fortes Quixadá. É conteudista no Blog da Fortes, produzindo diversos artigos para a área contábil. Além de consultora e palestrante de temas relacionados a área trabalhista. Atualmente é Analista de Produto na Fortes Tecnologia com ênfase na solução Total Contador, desenvolvendo ações frente a área contábil, fiscal e trabalhista.

Deixar comentário.

Compartilhar