Gestão financeira

Gestão financeira: 7 dicas para organizar contas de forma estratégica

Gestão financeira: 7 dicas para organizar contas de forma estratégica 1
Escrito por Fortes Tecnologia
Publicado em: 07/06/2017 Tempo estimado de leitura: 5 minutos

A Gestão financeira é fundamental para qualquer empresa, uma vez que gera melhores resultados e garante maior lucratividade. Para tanto, o administrador precisa organizar os processos internos, controlar os gastos e ficar atento aos atrasos nos pagamentos.

Ao ampliar o controle sobre as contas, o gestor garante a saúde financeira da corporação e se mantém competitivo no mercado. Continue a leitura e veja 7 práticas recomendadas para organizar as contas de forma estratégica!

1. Tenha um planejamento financeiro

O primeiro passo essencial para uma administração eficiente é o planejamento dos recursos. Logo, é imprescindível utilizar planilhas para anotar os custos fixos e variáveis, datas de vencimentos das contas e previsões de entrada de dinheiro.

Caso você não considere as planilhas um meio prático, utilize softwares que podem facilitar esse monitoramento.

Ao manter o controle sobre todos os compromissos você evita surpresas, visto que nem um centavo aparecerá fora do seu orçamento. Lembre-se de anotar tudo, até mesmo possíveis gastos extras como a compra de um novo equipamento, uma lembrança para os funcionários, entre outras situações.

2. Defina processos para liberação de gastos

Converse com a equipe e defina um processo para a liberação de recursos. Por exemplo: é possível estabelecer um limite de gastos mensais para cada setor e exigir que você seja avisado quando esse valor for utilizado, e qual a sua finalidade.

Desse jeito, o gestor mantém o controle sobre os recursos financeiros e consegue anotar com detalhes toda a saída de dinheiro. Ademais, faz um monitoramento sobre o destino da movimentação, o que permite fazer intervenções futuras em determinados setores que desperdiçam mais.

3. Antecipe o pagamento de contas que dão descontos

Não deixe para registrar na última hora as contas no gerenciador financeiro. Sempre que possível, faça um agendamento delas antes do vencimento para evitar multas e juros.

Além disso, pague antecipadamente as contas que oferecem descontos. Por exemplo: alguns fornecedores podem oferecer descontos de 5% para o pagamento à vista ou antes do dia 10 de cada mês. Imagine a diferença que isso fará no fechamento das suas contas!

Para facilitar o controle, o administrador pode adotar um sistema de gestão que propicie a emissão de relatórios com datas de pagamento, e compará-lo com os documentos quitados.

O diretor também deve avaliar a possibilidade de oferecer descontos para os clientes que pagam as contas antecipadamente. Dessa maneira, ele valoriza quem quita as dívidas em dia e garante a entrada de dinheiro no caixa.

4. Controle o índice de inadimplência

O atraso no pagamento e a inadimplência são comuns em qualquer negócio. Contudo, o administrador pode manter um controle sobre esse índice para não ser pego de surpresa.

Para esse fim, deve-se fazer um monitoramento do fluxo de caixa, considerando que alguns clientes podem deixar de pagar. Ainda, podem ser aplicados juros para os pagamentos em atraso, evitando que a prática se repita.

O gestor também deve ficar atento à época do ano que a inadimplência é mais frequente. Por exemplo: os três primeiros meses costumam apresentar maiores custos para todos, facilitando o aumento das dívidas. Nesse caso, procure viabilizar o pagamento com descontos maiores para aqueles que quitarem a dívida dentro do prazo.

5. Cobre clientes devedores

Caso o administrador perceba que são sempre os mesmos clientes que deixam de pagar as contas, está na hora de tomar medidas mais drásticas.

Em primeiro lugar, é recomendado fazer ligações alguns dias antes do próximo vencimento para lembrar o cliente sobre a dívida que possui com a sua empresa. Caso continue atrasando ou deixando de pagar, deve-se aplicar multas mais altas.

Se o gestor perceber que a dívida está aumentando muito, é hora de recorrer a outros meios. Diante disso, é indicado avisar o consumidor que ele será inserido em cadastros como SPC e Serasa, diminuindo sua credibilidade perante fornecedores.

Essa medida já pode ajudá-lo a garantir a quitação da dívida. Todavia, se o cliente continuar adiando, é hora de entrar com uma cobrança via judicial.

6. Use a tecnologia para automatizar processos

Adote o uso de sistemas para melhorar a gestão financeira da sua empresa. Muitos softwares facilitam o registro das informações, mostrando com clareza os dados financeiros.

Em vista disso, pode-se controlar mais facilmente as contas a pagar e receber, agendar cobranças e renegociações e emitir boletos. Também é possível fazer uma apuração financeira mais eficiente ao emitir relatórios gerenciais, balancetes, extratos bancários e monitorar as movimentações de dinheiro.

Ao controlar o fluxo de caixa corretamente, o diretor consegue melhorar a rentabilidade do negócio e garantir a competitividade no mercado.

7. Faça a gestão do estoque

O gestor também deve controlar o estoque para evitar que o dinheiro fique parado por muito tempo ou, até mesmo, ocorra uma perda da mercadoria. Assim, ele garante a gestão financeira da empresa, refreando possíveis prejuízos para o negócio.

Para tanto, é necessário se planejar e manter um abastecimento ideal de mercadorias, prevenindo um desgaste com os consumidores ou a falta de espaço para armazenamento.

Sendo assim, é importante controlar o estoque mínimo e máximo. O primeiro é considerado um estoque de segurança, pois mantém uma reserva de produtos, caso haja uma maior demanda. Consequentemente, o administrador tem tempo de fazer uma nova compra, e o cliente não fica esperando pelo produto.

Para entender melhor, o estoque mínimo deve ser baseado no consumo médio e no período de tempo usado. Este último deve ser dividido pelo valor do consumo. Veja o exemplo:

Consumo médio = 100 unidades

Tempo mínimo = 2

Cálculo: 100/2 = 50 (estoque mínimo)

O diretor também deve ficar atento ao estoque máximo, considerado o total de produtos que pode armazenar para não perder dinheiro ou faltar espaço físico. Nesse caso, deve considerar o estoque mínimo e o maior lote de compra do produto já registrado, fazendo a soma. Veja:

Estoque mínimo: 50

Lote de compra: 70

Estoque máximo: 50 + 70 = 120 (estoque máximo)

Diante dos fatos apresentados, fica evidente que a organização é fundamental para gerir o negócio e garantir maior lucratividade.

Gostou das nossas dicas para melhorar a Gestão financeira da sua empresa? Siga as nossas redes sociais e receba as novidades na sua timeline! Estamos no Facebook, Twitter e Youtube!

Fortes_Tecnologia_Banner_Fluxo_de_CaixaPowered by Rock Convert

Sobre o autor

Fortes Tecnologia

Deixar comentário.

Compartilhar