Gestão de pessoas

Cultura organizacional do Google: 4 aprendizados para sua empresa

cultura-organizacional-do-google
Escrito por Fortes Tecnologia
Publicado em: 18/09/2018 Tempo estimado de leitura: 6 minutos

A cultura organizacional do Google tem muito a ensinar sobre gestão de pessoas. A empresa tem um processo diferenciado de contratação e treinamento das equipes e dá mais liberdade para o funcionário escolher o seu período de trabalho. Afinal, cada um sabe qual é o horário em que tem maior produtividade, não é mesmo?

Contudo, a liberdade no ambiente não significa falta de responsabilidade. A pessoa precisa cumprir com suas tarefas e mostrar um empenho profissional, mas isso não o impede de fazer pausas para lanches ou jogar uma partida de videogame.

Parece impossível criar uma atmosfera diferenciada na companhia? Confira as dicas para promover uma mudança na cultura organizacional do seu negócio!

Compreenda como é a cultura organizacional do Google

Os colaboradores do Google têm autonomia para escolher o melhor horário para eles chegarem à empresa. A exceção ocorre em situações específicas, como em dias de reuniões agendadas.

A companhia também oferece um cardápio variado de lanches gratuitos compostos por pães, frutas, sucos e iogurtes. Além de um espaço de jogos para o colaborador poder relaxar entre uma atividade e outra.

Esse é um ambiente livre em variados aspectos, pois o funcionário tem autonomia para decidir quando começar ou terminar uma tarefa. Se ele perceber que executou as demandas importantes para o dia, pode ir embora sem um horário predeterminado.

Liberdade com responsabilidade

Esse jeito Google de trabalhar não exime os funcionários de suas responsabilidades. Muito pelo contrário. O colaborador percebe que tem muitos benefícios e precisa mostrar que tem competência e produtividade para permanecer ali.

O profissional pode escolher se prefere trabalhar em uma mesa de escritório ou sentado em um puff, pois isso não representa uma falta de compromisso com as suas tarefas.

A companhia também tem um calendário com programações diferenciadas para os colaboradores, como festa do pijama, do bigode ou com temática Hollywood — tudo para promover a integração das equipes.

O resultado disso é que os colaboradores valorizam a autonomia individual e a possibilidade de discutir ideias independentemente da hierarquia. Essa liberdade também está presente no âmbito pessoal do funcionário. Cada um tem direito de gastar 20% do tempo em um projeto próprio.

O Google também oferece benefícios para os colaboradores de todos os cargos. Entre eles estão os planos de saúde, participação nos lucros e ações da companhia. Em troca, precisam “colocar a mão na massa” e dar o seu melhor dentro da empresa.

Benefícios desse modelo de gestão de pessoas

A cultura organizacional do Google pode não funcionar muito bem para funcionários que gostam de trabalhar em ambientes formais e engessados. Contudo, ela conquista os profissionais que valorizam a liberdade e a autonomia no trabalho. Veja mais a seguir:

Engajamento

Não é porque não existe um horário definido que os profissionais não produzem. A liberdade gera maior engajamento, discussões entre colegas de trabalho e o desenvolvimento de projetos com o intuito de promover melhorias nas plataformas do Google.

Redução de Turnover

Os benefícios e a liberdade oferecidos pela empresa demonstram, em números, a eficiência da iniciativa. A companhia está há 4 anos no Brasil e só precisou renovar um índice de 3% de sua equipe. Dos que pediram demissão, 2,5% justificaram a ausência para fazer mestrado ou doutorado.

Aumento da produtividade

O Google acredita no poder de dar liberdade aos colaboradores, mas também acompanha os resultados de cada um. A empresa tem como orientação a ideia de que “ótimo não é suficiente”. É preciso fazer mais e melhor.

A inovação e a interação entre as equipes é o que permite realizar cada vez mais e aperfeiçoar as ferramentas já existentes. A criação também deve ser um foco dos colaboradores, que precisam perceber os problemas comuns das pessoas e criar ferramentas para gerar mais facilidade.

Foi assim que surgiu o corretor ortográfico. Um engenheiro identificou que o site de buscas gerava melhores resultados quando a palavra era escrita corretamente. Então, a equipe desenvolveu uma ferramenta mais intuitiva para o usuário.

Além de exigir inovação dos colaboradores, um comitê de pessoas é responsável por acompanhar o desempenho dos profissionais. As notas obtidas servem de base para a companhia oferecer aumentos, promoções ou bônus.

Práticas de difusão da cultura organizacional

Se o Google é um bom exemplo, por que não compreender quais são as metodologias usadas para melhorar a gestão de pessoas? Confira a seguir:

1. Atenção ao processo de contratação

O recrutamento de candidatos é o primeiro passo para encontrar pessoas com o perfil da empresa. O Google busca sempre o melhor profissional do mercado, por isso, o CEO e os fundadores participam de todos os processos.

A equipe avalia todas as ações, reações e respostas do candidato. Se o profissional realizou alguma iniciativa social ou pratica esportes, se as notas na escola foram boas e como foi o desenvolvimento de sua carreira.

Muitas vezes, pode-se levar até um ano para preencher uma vaga, pois o profissional precisa ter um perfil compatível com a cultura da empresa. Também são avaliados critérios como criatividade, habilidades técnicas e intelectuais.

2. Divulgação dos valores da empresa

O Google tem valores específicos que estão inseridos na forma de trabalhar das equipes. A inovação é o seu principal pilar e isso impulsiona os processos criativos. Portanto, os profissionais sabem desde o início qual é a missão e os valores da companhia, a fim de evitar qualquer tipo de dúvida no desempenho das demandas.

3. Transparência e horizontalidade

Quem disse que apenas o líder da equipe pode ter ideias e propor soluções? A cultura organizacional do Google valoriza a troca de informações entre as pessoas. O cargo importa menos do que a capacidade de colaborar e influenciar os outros.

Por isso, são realizadas reuniões com frequência para promover votações pertinentes entre os colaboradores. Essa troca de informações cria um processo mais democrático e transparente, e permite que os funcionários compreendam o que acontece na direção da empresa.

4. Envolvimento dos colaboradores

O Google valoriza a participação e socialização dos funcionários. Por isso, tem ambientes descontraídos e espaços para lanches. Isso fortalece os laços entre as equipes e aumenta a participação nos projetos da empresa. As festas temáticas também são uma forma de integrar as pessoas e promover um engajamento em prol da coletividade.

A Rock Content é um exemplo de empresa brasileira que utiliza uma cultura organizacional próxima à do Google. Ela valoriza a diversidade de conhecimento, oriundo de pessoas com variadas qualificações profissionais.

Os colaboradores e parceiros estão sempre dispostos a aprender mais e compartilhar informações e o foco principal é o resultado: o sucesso do cliente. Isso tudo sem tirar a liberdade do funcionário de se vestir como acha melhor e realizar pausas quando entende que pode.

A Resultados Digitais é outro exemplo. A companhia tem uma área de jogos para seus funcionários, lanches acessíveis a qualquer horário e liberdade para promover um diálogo. A produtividade da equipe é acompanhada de perto com ferramentas de avaliação de performance. O foco principal da empresa é levar excelência em seus processos e resultados.

Percebeu como a cultura organizacional do Google conseguiu oferecer liberdade e autonomia para os profissionais e ainda manter uma alta produtividade? Tudo depende de como essa política é implantada no negócio.

E aí, ficou inspirado com a metodologia da empresa? Compartilhe o post nas redes sociais e incentive a mudança de valores nas organizações!

Cultura organizacional do Google: 4 aprendizados para sua empresa 1Powered by Rock Convert

Sobre o autor

Fortes Tecnologia

Deixar comentário.

Compartilhar